Jujuba Jóias
moda
tendências
viagens
beleza
decor
cultura
culinária
16 jun 2021

Os relatos se repetem sempre que as temperaturas despencam. Os dias frios chegam trazendo acompanhantes nada bem-vindos: nariz congestionado, tosse, dores no corpo e febre. E, em meio a uma pandemia sem precedentes, como a do cononavírus, é comum que os pais não saibam quais os medicamentos são seguros para medicar os pequenos com sintomas de algumas das doenças típicas desse período do ano.

A gripe, uma das mais comuns, é também a grande vilã da saúde e pode atingir pessoas de todas as idades, idosos e crianças são mais suscetíveis por caraterísticas de seu sistema imunológico e respiratório, que são alvo frequentes destas infecções. Por isso, a orientação de especialistas é reforçar o cuidado, beber muita água e ficar de olho nanécessaire de medicamentos que ajudam a combater os principais sintomas da doença. A vacina contra a gripe é uma importante arma terapêutica indicada a partir dos seis meses de idade. “Com os pequeninos, os cuidados devem ser redobrados”, destaca a médica pediatra Ana Paula Beltran Moschione Castro, (CRM 69748 – SP).

A especialista explica que, com a imunidade em formação, as crianças ficam mais suscetíveis aos vírus circulantes e sofrem com os sintomas, que tendem a ficar mais fortes, principalmente em pacientes que já apresentam algum comprometimento respiratório. “O alerta é para que pais e mães redobrem a atenção nesse momento. As mudanças bruscas de temperaturas são comuns nesta época do ano e não podemos esquecer que estamos diante de uma pandemia, portanto, todo cuidado com a saúde é necessário, seja de prevenção e proteção”.

Para tratar os sintomas que podem surgir durante a gripe, como dor no corpo e febre, que também são comuns na Covid-19, pais e adultos de forma geral podem confiar nos medicamentos à base de ibuprofeno, explica a especialista. “A medicação tem ação predominantemente analgésica e é hoje a mais segura para o tratamento de febre e dores em geral. Inclusive, a última diretriz clínica da Organização Mundial da Saúde lista ibuprofeno, entre outros medicamentos, como uma alternativa importante no tratamento desses sintomas na Covid-19”, afirma.

Além disso, a especialista alerta: a medicação, na dose certa e na hora certa pode evitar uma possível ida aos hospitais e postos de saúde – ambientes que geralmente ficam lotados neste período – e ainda evita os riscos de exposição ao coronavírus. “O ibuprofeno pode ser administrado em crianças, a partir de seis meses de idade, a cada 6 ou 8 horas. A dosagem deve ser adequada ao peso da criança”, detalha a médica. Mas, lembra que é importante sempre buscar orientação do médico pediatra.

A pediatra destaca ainda algumas orientações importantes para enfrentar os vilões da saúde em período mais frios:

• O vírus causador da gripe costuma circular mais em ambientes fechados. Por isso, sempre que puder, mantenha os lugares com janelas e portas abertas, para fazer o ar circular e manter a casa livre dos riscos de contaminação;

• Nesse período também são comuns os relatos de alergia. Isso acontece por que os ácaros, agentes que causam grande parte das alergias respiratórias, se proliferam com mais facilidade. A dica é dedicar mais tempo à higienização de tapetes, pelúcias, etc, e manter o ambiente sempre ventilado;

• Se precisar sair de casa, não deixar para trás os casacos para enfrentar a queda de temperatura e não esqueça dos protocolos de segurança da Covid-19 – máscaras e álcool gel sempre;

• Beber bastante água é fundamental e investir em uma alimentação balanceada traz o equilíbrio necessário de uma vida saudável.

“É preciso atenção aos sintomas dos casos mais comuns deste período do ano”, afirma a especialista. Gripes e resfriados são provocados por diferentes agentes e podem ser facilmente confundidos e para esclarecer melhor as dúvidas sobre as manifestações das doenças de inverno, a médica destacou os sintomas que ajudam a identificar casos de Covid-19, gripe e resfriado:

• Em casos de Covid-19, é comum o paciente apresentar febre, às vezes cansaço, tosse (geralmente seca), em alguns casos dor de garganta;

• A gripe se manifesta por meio de febre, cansaço, tosse seca, dores no corpo, mal-estar e dor de cabeça; mas lembre-se que temos vacina a partir dos seis meses de idade;

• Os pacientes com resfriados poucas vezes têm febre, a tosse é mais leve, espirros são comuns – assim como as dores no corpo -, além de coriza e nariz entupido.

“Em todos estes casos, a orientação é sempre investigar. Procurar atendimento médico para identificar o problema indicar o melhor tratamento”, finaliza.
Fonte: Viviane Melém ([email protected])
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

POSTS RELACIONADOS

02 jun 2021

A hora do banho é um momento que divide opiniões entre as crianças, enquanto umas amam o contato com a água, outras não gostam muito. Mas, é possível transformar esse cuidado diário em uma atividade divertida e educativa para os pequenos, que estão em fase de descoberta e aprendizado. Além de ser essencial para a higiene, o banho pode ser aproveitado para explorar o desenvolvimento sensorial, as habilidades motoras e também estimular a autonomia dos pequenos.

Para tornar o banho em um momento único e até mesmo aguardado pelas crianças, é importante oferecer brincadeiras diferentes das realizadas no dia a dia. Por isso, ao invés de levar os brinquedos comuns para o chuveiro, é indicado explorar objetos simples e que já fazem parte do momento do banho. A Nazca Cosméticos preparou algumas dicas de atividades que vão deixar o banho dos pequenos ainda mais relaxante e divertido. Confira:

Criar histórias

Estimular a criatividade e a imaginação das crianças é essencial na etapa de desenvolvimento, e o banho pode ser um grande aliado. Criar histórias é uma forma de incentivar a criança a imaginar um mundo de aventuras. Através de objetos e também de personagens fictícios é possível aflorar ainda mais a parte criativa das crianças no desenvolvimento de uma história.

 

Piratas, fadas, dragões, feiticeiros, príncipe e princesa são alguns dos personagens que estampam os produtos da linha Origem Grupy Kids, da Nazca Cosméticos. Desde a estampa até a embalagem do produto foram desenvolvidos exatamente para esse momento de higiene e diversão no banho. Com essa turma de personagens e um pouco de imaginação é possível criar muitas histórias de aventura e magia debaixo do chuveiro.

 

Ouvir músicas

Cantar e ouvir músicas no chuveiro é algo que agrada todas as idades. No caso das crianças, além de tornar o momento alegre, a música também é uma ferramenta de aprendizado. Através das canções é possível ensinar os pequenos a identificarem as partes do corpo e também a melhor forma de deixá-las limpinhas, cada qual com seu produto ideal, sabonete e bucha para o corpo, shampoo e condicionador para os cabelos.

 

Montar uma playlist com músicas educativas é uma forma de facilitar ainda mais esse momento. A linha Grupy Kids também possui um jingle super divertido para as crianças curtirem o banho, confira: https://www.youtube.com/watch?v=4vbAViJ8B9I

 

Ler livros de banho

Os livros feitos para serem levados ao banho são ótimas opções para tornar a ducha especial, principalmente se a criança estiver em processo de alfabetização. Essa é uma forma das crianças se familiarizarem com as letras, números e figuras de forma interativa e descontraída, afinal, também se aprende brincando.

 

Afunda ou flutua?

Para aproveitar o momento embaixo do chuveiro e os objetos que acompanham o banho, a criança pode brincar de “afunda ou flutua?”. Leve para o banho um recipiente fundo para colocar a água, inclua também objetos e brinquedos de diferentes tamanhos e pesos. Estimule a criança a fazer o experimento e adivinhar se o objeto vai afundar ou não e faça perguntas que estimulem a curiosidade pelas cores, formas e funcionalidade de cada objeto.

 

Segundo Marcela Akioka, coordenadora de marketing de produto da Nazca Cosméticos, é importante que o banho além de um momento de higiene seja também um momento divertido e prazeroso entre pais e filhos. “Além de oferecer produtos de qualidade, nosso objetivo também é proporcionar momentos divertidos em família. A linha Grupy Kids foi inteiramente desenvolvida para o público infantil, atendendo todos os cuidados necessários. Para complementar essa experiência no banho e estimular a criatividade e a imaginação dos pequenos, pensamos em personificar suas brincadeiras, criando um mundo com personagens em que eles se espelham durante as brincadeiras”, afirma.

Fonte: Isabella Lima ([email protected]) / Marcela Akioka, coordenadora de marketing de produto da Nazca Cosméticos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

POSTS RELACIONADOS

26 mar 2021

Cada vez mais os livros infantis têm sido ótimos aliados para ajudar pais e filhos na hora de enfrentarem um novo ciclo na vida das crianças. Os desafios são diários, porém, é necessário se livrar de velhos hábitos, por mais que seja difícil. Para ajudar nesta jornada de transição constante, o Selo Caminho Suave da Editora Edipro lança a Coleção Crescidinhos, que apresenta quatro livros com histórias lúdicas e ilustradas.

As obras ensinam sobre desfralde, como largar a chupeta, fazer yoga e até a controlar as emoções por meio da respiração. “Alguns desses livros contam com um guia de especialistas ao final, que são feitos por profissionais especializados em atendimento pediátrico e trazem dicas de como os pais podem auxiliar as crianças”, conta Maíra Lot Micales*, Publisher e autora das obras Cocô, Xixi e Pum e Careta pra chupeta!.

Confira os títulos que prometem auxiliar de forma divertida os pequenos nessa nova fase de vida:

Careta pra chupeta! (Caminho Suave – Edipro): Um ótimo livro para crianças que precisam largar a chupeta e para pais que querem auxiliar nessa jornada! Além de educativo e ricamente ilustrado traz uma introdução sobre a importância do reflexo de sucção quando bebê e a decisão dos pais de oferecerem ou não a chupeta. Além disso, conta com regras para não banalizar o uso do objeto e dicas de higienização; as vantagens e desvantagens; qual idade é indicada para abandonar o hábito com o passo a passo e orientações para pais de crianças maiores de dois anos. (Editora: Caminho Suave | Autora: Maíra Lot Micales | Edição: 1ª edição, 2020 | Preço: R$ 39,90 | Link de venda: Amazon)

Cocô, Xixi e Pum é um descontraído guia para ensinar, tanto as crianças quanto os adultos, a enfrentar o desafiador momento do desfralde. Além da história divertida e ilustrada para o pequenos, o livro contém um guia completo do desfralde para os pais e cuidadores, escrito pela pediatra doutora Gilda Porta, presidente do Departamento Científico de Hepatologia da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP). O exemplar traz dicas e informações preciosas para ajudar no período diurno e noturno, além de auxiliar nos escapes, quando a criança já não usa mais a fralda.
(Editora: Caminho Suave | Autora: Maíra Lot Micales | 1ª edição, 2019 | R$ 37,90 | Link de venda: Amazon)

O Pequeno Yogue, escrito pela professora formada pela Escola de Yoga Shanti Om, Debora Molon ensina como as crianças devem fazer as posturas da Yoga. A obra traz os exercícios da prática milenar e explica sobre os inúmeros benefícios para as crianças, já que as posturas que envolvem o equilíbrio ajudam a aumentar a concentração, influenciam no comportamento físico e mental, fazendo com que elas aprendam a lidar com estabilidade e gentileza frente aos desafios emocionais do cotidiano.
(Editora: Caminho Suave | Autora: Débora Molon | 1ª edição, 2020 | R$ 44,90 | Link de venda: Amazon)

A mágica da respiração, escrita pelo psicólogo americano Christopher Willard e a educadora Wendy O’Leary, ensina a desenvolver a atenção plena (mindfulness), inspiradas nos ensinamentos do professor zen Thich Nhat Hanh, que ajuda os pequenos a controlarem as emoções por meio da respiração. A obra mostra como atravessar situações de desconforto, raiva, medo, tão comuns na infância. (Editora: Caminho Suave | Autores: Christopher Willard e Wendy O’Leary | 1ª edição, 2020 | R$ 41,90 | Link de venda: Amazon)

*Maíra Lot Micales é Publisher de livros há dez anos, e já editou mais de quatrocentas obras. Filha de livreiros, é defensora ferrenha do livro como instrumento para formação e engrandecimento pessoal, desde os primeiros anos de vida. Mãe de dois filhos, formada em Administração de Empresas pela EASP-FGV e pela HEC-Paris, com especialização em Negociação pela FGV, atuou por vários anos na gestão do Museu de Arte Moderna de São Paulo e da CASACOR, sempre lidando com bens culturais. Como mãe, adora inventar histórias como forma de transmitir mensagens educativas a seus filhos.

Fonte: Gabriela – LC Agência de Comunicação ([email protected])

Imagens: Amazon

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

POSTS RELACIONADOS

29 jul 2020

Andar na ponta do pé na infância é mais comum do que se imagina. Felizmente, na maioria dos casos, é uma condição benigna que tende a se resolver espontaneamente. Segundo a fisioterapeuta Walkíria Brunetti, especializada em fisioterapia neurológica, o termo médico para essa condição é marcha em pontas idiopática.

A condição é caracterizada pela falta de contato do calcanhar com o chão, na fase inicial da marcha. Normalmente, aparece durante o desenvolvimento da marcha e persiste após os dois anos de idade.

“Além disso, a marcha em pontas ocorre em crianças com desenvolvimento psicomotor normal. Essas crianças, portanto, são capazes de realizar o apoio da planta do pé no chão por completo, mas não o fazem”, comenta Walkíria.

Muito comum
A marcha em pontas idiopática tem uma incidência de 7 a 24% na população pediátrica. Muitos pais procuram ajuda especializada quando percebem que os bebês começam a andar nas pontas dos pés, sendo esse um dos principais motivos de consultas com neuropediatras.

Para Walkíria, isso é importante, pois esse padrão de marcha pode ser um sinal de algumas patologias, como paralisia cerebral, distrofia muscular ou ainda do autismo. Entretanto, a boa notícia é que na maioria dos casos não tem ligação com outras condições neurológicas.

“Outra característica importante é que a criança anda na ponta dos dois pés, ou seja, é bilateral. Para o diagnóstico, é preciso ainda que tenha uma duração superior a três meses. Assim, caso a criança ande de vez em quando, não é preciso se preocupar”, reforça Walkíria.

Curiosamente, estudos apontaram que crianças cujos pais ou familiares de primeiro ou segundo grau tenham tido esse padrão de marcha na infância, têm maior chance de desenvolver a marcha em pontas. Outro estudo mostrou ainda que é mais prevalente nas crianças com predominância da mão esquerda, ou seja, nas canhotas.

Tropeços frequentes
A origem da marcha em pontas é desconhecida, por isso é chamada de idiopática. “Mesmo sendo uma condição benigna, é preciso corrigir a marcha. A repetição do movimento pode causar dores nos membros inferiores, levar a criança a cair ou a tropeçar de forma frequente e dificultar as atividades esportivas. Nos mais velhos, pode ser ainda um motivo para o bullying na escola”, ressalta Walkíria.

“A terapia é importante, pois se a criança começa a crescer com o calcanhar no ar, pode ocorrer encurtamento do tendão de Aquiles, dos músculos posteriores do joelho e da coluna. Também pode desenvolver um padrão de marcha que leva o tronco para frente, pois quando nós levantamos a ponta do pé damos um impulso para frente”, explica a fisioterapeuta.

Defensividade tátil: uma possível causa

Mais recentemente, os especialistas têm sugerido que andar na ponta dos pés pode estar relacionado a déficits no processamento das informações sensoriais do sistema tátil. Algumas crianças desenvolvem respostas negativas ou até mesmo aversivas a algumas situações que demandam o tato.

“Cortar ou pentear o cabelo, cortas as unhas, usar roupas com etiquetas, pisar em pisos mais ásperos, andar sem calçados ou comer certos alimentos mais pastosos, por exemplo, são algumas atividades que podem ser impossíveis para essas crianças”, diz Walkíria.

Como andar na ponta dos pés pode ter ligação com o sistema de integração sensorial, umas das terapias mais usadas é a terapia de integração sensorial. “Durante as sessões são criados estímulos para as necessidades individuais de cada paciente. Costumamos usar cama elástica, rampas, balanços, túneis de tecido e escorregadores, entre outros instrumentos”, comenta a especialista.

O tratamento envolve a correção da marcha, bem como ajudar a criança a se adaptar melhor às sensações táteis.

Auxilio texto: Leda Sangiorgio ([email protected] ) / fisioterapeuta Walkíria Brunetti

Imagem: https://www.gazetadopovo.com.br/viver-bem/saude-e-bem-estar/crianca-que-anda-na-ponta-dos-pes-quando-os-pais-devem-se-preocupar/

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

POSTS RELACIONADOS

Sobre a Mariah

Oiii bloguetes, sejam bem vindas (os) !!

Este é o nosso espaço, onde divido com vocês as minhas idéias, viagens, novidades sobre beleza e claro, vídeos pra lá de engraçados com dicas de cabelo, maquiagem, receitas… Tudo o que nós gostamos de saber!

O blog existe desde Outubro de 2007 e, quando comecei nessa vida de blogueira, não imaginava no que ele poderia se transformar um dia! Graças à vocês, que estão comigo todos os dias, o blog tem muitos acessos e ficou conhecido no Brasil e exterior.

Não posso deixar de mencionar um fato que sempre me faz muito feliz (muito mais do que acessos, comentários, anúncios),que é conhecer cada uma de vocês!!! Nada melhor do que fazer novas amizades, e até quem sabe, novos negócios!

Essa é a nossa casa! E vamos continuar com o nosso papinho de amigas (os)?

Beijos com carinho,
Mariah

Fale com a Mariah

Olá, bem vindos!!

Endereço para contato do Blog da Mariah:
Rua General Glicério, 870 / Centro / Araçatuba-SP / CEP: 16010-080

ou no email: [email protected]

Obrigada!!

Receba nossa newsletter

e acompanhe a Mariah nas redes sociais!

Anuncie

Tem interesse em anunciar no Blog da Mariah?
Por favor, não hesite em entrar em contato conosco no email

[email protected]

Obrigada!